162 Views |

A luz da transformação da D’Aura

Mudanças e transformações dão o tom de “ALOTROPIAS”, coleção a ser apresentada pelo arquiteto e estilista Lucas Menezes e a sua D’Aura no DFB Festival 2019. Baseado no conceito químico do termo que significa a propriedade que possuem alguns elementos químicos de se apresentarem com formas e propriedades físicas diferentes, tais como densidade, organização espacial, condutividade elétrica a marca e na coletânea de poemas intitulada “bigornas” da carioca Yasmin Nigri.

Com peças de essência urbana, trabalhando o corpo como ser elementar e proposto à desconstrução de gênero, a D’Aura traz para a passarela um conceito imagético dos poemas de Yasmin, a arquitetura, os afetos e encontros, os percursos e caminhos por vezes tortuosos mas que se revelam belos são trabalhados sobre peças de tricoline, linho, nylon, tafetás, paetês e tecidos com o intuito de mostrar seus fios e aviamentos, as peças alotrópicas colocam em confronto esses conceitos aliados ao ato de vestir como um descobrir-se e manter-se dentro dessa constante transformação.

Para além da materialidade já citada, a D’Aura em consonância com o conceito da coleção apresenta peças em tons de preto, grafite, ocre, branco, marinho e off-white em camisas lisas com mangas, golas altas e volumes estratégicos, tricôs em modelagens oversized, golas assimétricas, saias de comprimento midi além de casacos, quimonos e ponchos fluidos de modelagem ampla contrastados a calças de corte seco. Os vestidos ganham aplicações de paetês que ora se mostram, ora se escondem, detalhes plissados e cintura ajustada.

O desfile da D’Aura também traz parcerias junto a Vicunha Têxtil e Innovativ Tecidos com joias de Carlos Penna, sapatos Vitalínea Calçados, tricôs do Estúdio Arti e acessórios da Ilhós Atéliê, a trilha sonora do desfile é arrematada pelo Coletivo Tantsa.

 

Serviço

DFB Festival

D’Aura

18 de maio – 19h30

Aterro da Praia de Iracema