598 Views |

Eduardo Motta lança Alfaiatarias; uma obra de sensibilidade e aprendizagem

Redação: Renato Ferreira | Fotos: Igor Cavalcante

Desmonta. Remonta. Separa as camadas e ressignifica. Esta é a proposição do livro Alfaiatarias: radiografia de um ofício incomparável, escrito pelo consultor e editor de Moda, Eduardo Motta.  A obra aborda tudo o que busca desmistificar o pensamento clichê sobre alfaiataria em um resgate histórico, documental e didático.

A realidade do meio industrial, acerca da composição de elementos recortados e costurados, a partir de um corpo, ganha novas atribuições entre ‘hipercorpos’ e alterações de proposição. O mote que visa estabelecer produtos e processos vão muito além da técnica e da prática para Motta. Elas recebem (e concebem) uma percepção sociológica e icônica sobre homem, mulher, têxtil e suas diversas vertentes.

Há um apanhado dentro da pesquisa, que é poeticamente dividida em camadas, sobre as eras vitoriana – muito bem descrita, com uma riqueza de detalhes entre o século XIX; a era moderna, ‘gloriosa’ segundo o autor – embora quase tenha entrado em extinção; e a era contemporânea, a atual. Esta terceira e última é um dos grandes desafios para a atualidade, onde existe uma desgeneralização sexual, de classe e, inclusive, de conceito.

Outra ‘camada’ do livro reúne entrevistas com diversos artistas da alfaiataria – dentre estes (e aqui, exclusivamente, estas) – diversas mulheres que desafiam o ofício, visto anteriormente como masculino.

Para não deixar a comunidade acadêmica de fora, o autor ainda pensou um capítulo especial. Mas nada que seja uma didática carrancuda, difícil. Ele revela que pensou em uma maneira tranquila, leve, para ler, reler, aprender, ensinar e, sempre, aprender.

Alfaiatarias revela-se como uma verdadeira obra-prima para deixar na cabeceira da cama e levar embaixo do braço.