1714 Views |

O homem brasileiro e o consumo de moda, as masculinidades viram assunto no Dragão Pensando Moda

Texto: Felipe Vasconcelos

No último dia de DFB Festival 2019, o Dragão Pensando Moda trouxe para palestras e roda de conversa profissionais que trouxeram uma temática pertinente em discussões à respeito do tema “moda”, porém ainda pouco abordada da maneira mais ampla e inclusiva possível, em seu último quadro do ano no DFB, o DPM levantou questões sobre o homem brasileiro e a sua relação com a moda.

Foto: Igor Cavalcante

Para suscitar reflexões sobre a temática, inicialmente subiu ao palco Fábio Mariano que atua há mais de 25 anos com comportamento do consumidor, estudos etnográficos e consumer insights, desenvolvendo estudos acadêmicos e pesquisas de mercado. Fábio em sua palestra “Consumo e masculinidades no novo milênio” falou da importância de nos libertamos do aprisionamento do gênero social como uma ferramenta complementar da moda enquanto elemento de expressividade, fazendo observâncias quanto as restrições que o público masculino ainda tem em relação a itens que se relacionem com a vaidade, porém, o sociólogo já vê com bons olhos esses novos tempos como um convite para que nos transformemos e abracemos a era desta transformação na moda e na sociedade.
Os diálogos da temática conduzidos e também apresentado pelo estilista e pesquisador Mário Queiroz que trouxe o painel “Moda masculina no novo milênio” seguiu com a participação de Lindebergue Fernandes, estilista à frente da marca de moda masculina DLT, o arquiteto e designer Rafael Studart e o designer de interiores Carlos Zaranzza que discutiram os caminhos do design voltado às masculinidades.

Foto: Igor Cavalcante

Por fim, em um bate papo também mediado por Mário Queiroz com o tema “Homens do Ceará: Quem são esses consumidores?” entraram em cena o pesquisador e designer Chico Neto, o também designer Sérgio Gurgel e o antropólogo Kaio Lemos que também é presidente da ATRANS-Ce (Associação Transmasculina do Ceará), a conversa tratou de temas como os entraves culturais que ainda estão atrelados a uma ideia biológica do gênero masculino, as vivências sociais e territoriais do corpo do homem e os estereótipos intimamente ligados a esse conceito que descartam a possibilidade da ideia de uma ampla definição das masculinidades e não apenas de uma arraigada de moldes que a moda e a sociedade já não podem mais considerar como principal ou dominante.

Foto: Igor Cavalcante

O DFB Festival 2019 trouxe em seus quatro dias de evento uma programação gratuita e diversificada de palestras, talk shows e mesas redondas com temas sempre pertinentes ao mundo da moda e como essas temáticas se relacionam com o meio ambiente, a cultura e a sociedade.